Docker é uma ferramenta de desenvolvimento de software com base no modelo de contêineres

Docker é uma plataforma para desenvolvedores e administradores de sistemas criarem, enviarem e executarem aplicativos distribuídos, seja em laptops, ou seja em máquinas virtuais de data center, seja na nuvem. É uma ferramenta projetada para facilitar a criação, a implantação e a execução de aplicativos usando um modelo de conteinerização.

Permite que desenvolvedores empacotem um aplicativo com todas as dependências em uma unidade padronizada para desenvolvimento de software. Com o uso da imagem, o pacote pode ser facilmente distribuído e executado como qualquer outro dispositivo ou computador.

Navegue pelo índice

    Como funciona o Docker?

    O mascote da plataforma Docker é uma baleia azul.
    Docker conta com plataforma de código aberto, comunidade e empresa que dá suporte à comunidade. (Fonte: Kyo Hei Ito/Flickr/Reprodução)

    O Docker usa uma tecnologia que permite que o aplicativo e as dependências sejam empacotados juntos em um contêiner. Os contêineres são isolados uns dos outros e do sistema host, o que significa que cada contêiner é executado de forma independente e tem o próprio sistema de arquivos, rede e ambiente de tempo de execução.

    Quando se executa um contêiner, a ferramenta cria um namespace para o contêiner e o isola do sistema host. O contêiner então executa os próprios processos, que são isolados dos processos do sistema host.

    Além disso, também usa uma tecnologia chamada imagem para empacotar aplicativos e dependências. Uma imagem é um pacote leve, autônomo e executável que inclui tudo o que é necessário para executar um software, como código, bibliotecas, variáveis de ambiente e arquivos de configuração.

    Quem usa o Docker?

    O Docker é amplamente adotado por um conjunto diversificado de usuários, incluindo desenvolvedores, operações e equipes de tecnologia da informação (TI) em diferentes setores e empresas, como:

    • desenvolvedores de software — criam e gerenciam contêineres para aplicativos, o que permite empacotar e distribuir facilmente esses aplicativos;

    • administradores de sistema — usam a ferramenta para gerenciar e implantar aplicativos em servidores, o que permite escalar e gerenciar facilmente os aplicativos;

    • equipes de DevOps — podem automatizar o processo de criação, teste e implantação de aplicativos, o que permite fazer alterações nos aplicativos de maneira rápida e fácil;

    • provedores de nuvem — provedores como AWS, Azure e Google Cloud fornecem serviços de orquestração de contêineres e clusters kubernetes gerenciados para clientes;

    • empresas — muitas usam a ferramenta para contentorizar aplicativos legados e modernizar a infraestrutura;

    • startups — geralmente usam a ferramenta para desenvolver e implantar rapidamente os aplicativos, o que permite que eles se movam rapidamente e escalem com facilidade;

    • fornecedores independentes de software — usam a plataforma para empacotar e distribuir softwares aos clientes, o que permite que os executem facilmente em diferentes plataformas.

    Qual é a diferença entre contêineres Docker e Linux?

    imagem de vários contêineres, para representar a tercnologia de conteinerização usada pelo Docker
    LXC e Docker trabalham com conteinerização, mas de formas diferentes. (Fonte: Chanaka/Pexels/Reprodução)

    O Linux Containers (LXC) é uma tecnologia mais antiga e de nível inferior para conteinerização construída diretamente no kernel do Linux, enquanto o Docker é uma plataforma de nível superior que utiliza a funcionalidade do LXC e adiciona recursos e ferramentas para tornar a conteinerização mais amigável e eficiente.

    As imagens do Docker podem ser facilmente executadas nos mais diferentes sistemas operacionais convencionais, como Windows e Mac, bem como são facilmente utilizadas em servidores, o que faz dele uma ferramenta muito maleável e acessível não importando o sistema operacional usado, enquanto os contêineres LXC geralmente são vinculados a uma distribuição específica do Linux.

    O Docker fornece um repositório centralizado chamado Docker Hub, para compartilhar e distribuir imagens de contêiner, enquanto o LXC não tem um repositório centralizado.

    Ele também tem uma comunidade e um ecossistema maiores e mais ativos, enquanto o LXC tem uma comunidade menor e menos ferramentas e recursos disponíveis.

    O Docker também fornece outros serviços, como versão automática e reversão, orquestração e rede pronta para uso, enquanto o LXC é uma tecnologia de conteinerização mais básica.

    Como começar a usar o Docker?

    O uso do Docker envolve várias etapas. Neste texto, vamos abordar as etapas básicas, mas há muito mais opções e comandos disponíveis. É possível consultar a documentação da ferramenta para obter mais informações de como usar e gerenciar contêineres e imagens.

    A instalação do aplicativo para desktop, torna toda a jornada do usuário mais simples, pois retira a necessidade de executar comandos por terminal de computador, podendo executar os contêineres utilizando uma interface gráfica bem intuitiva.

    1. Instalar o Docker

    Para usar a plataforma, é necessário instalá-la, processo que varia dependendo do sistema operacional. O software Docker deve ser baixado no site oficial.

    2. Extrair uma imagem

    Para executar os comandos mencionados, é preciso utilizar um terminal como o PowerShell no Windows. Depois que o Docker estiver instalado, pode-se extrair uma imagem de um repositório público ou privado.

    Uma imagem é um pacote pré-construído que contém todos os arquivos e as dependências necessários para a execução de um aplicativo. É possível usar o comando “docker pull” para baixar uma imagem de um registro, como o Docker Hub.

    3. Executar um contêiner

    Após obter uma imagem, pode-se usar o comando “docker run” para iniciar um contêiner a partir da imagem. Um contêiner é uma instância em execução de uma imagem. Esse comando inicia um novo contêiner e executa o comando especificado na imagem.

    4. Gerenciar contêineres

    Depois de ter um contêiner em execução, é possível usar vários comandos docker para gerenciá-lo, como “docker ps” para listar contêineres em execução, “docker stop” para interromper um contêiner em execução e “docker rm” para remover um contêiner.

    5. Criar as próprias imagens

    Também pode-se criar as próprias imagens criando um Dockerfile, que é um script que define como uma imagem deve ser construída. O comando “docker build” pode ser usado para construir a imagem.

    6. Enviar imagens para um registro

    Depois de criar a própria imagem, é possível enviá-la para um registro, como o Docker Hub, para que outras pessoas possam usá-la.

    Por que usar Docker?

    O Docker garante que um aplicativo seja executado da mesma maneira em diferentes ambientes, como desenvolvimento, teste e produção, o que facilita a movimentação de um aplicativo de um ambiente para outro sem a necessidade de preocupação com diferentes dependências ou configurações.

    Os contêineres são isolados uns dos outros e do sistema host, o que significa que eles não interferem entre si e não afetam o sistema host. Isso facilita a execução de vários aplicativos no mesmo host sem que eles interfiram uns nos outros. Também facilita o dimensionamento de um aplicativo adicionando mais contêineres.

    Além disso, o Docker é mais eficiente em termos de recursos do que as máquinas virtuais tradicionais e permite executar vários aplicativos em um único servidor, o que pode economizar custos de hardware e energia.

    Se você está buscando por uma opção de VPS com melhor preço e infraestrutura no Brasil

    Saiba mais