Entenda quais são os padrões mais indicados para projetos desenvolvidos em Angular.

Angular é um dos frameworks de desenvolvimento web mais populares e poderosos da atualidade. Utilizado para criar aplicativos web robustos e escaláveis, ele oferece várias ferramentas e recursos para desenvolver projetos que atendam às necessidades dos usuários.

No entanto, com um conjunto tão amplo de recursos, é fácil perder a clareza e o foco do projeto e acabar adotando práticas que dificultam a manutenção e a escalabilidade. É aí que entram as chamadas boas práticas. 

Boas práticas são técnicas, métodos ou padrões que são considerados eficazes e apropriados para determinado contexto ou tarefa.

Essas boas práticas são desenvolvidas com base em experiências e em estudos sobre o assunto e podem gerar uma série de benefícios, como garantir que o trabalho seja feito de maneira eficiente e com qualidade, minimizar riscos e aumentar a segurança, bem como economizar tempo e evitar erros que poderiam causar atrasos ou retrabalho. 

Além das boas práticas de programação em geral, é comum que cada linguagem ou framework tenha métodos específicos que deixem o desenvolvimento mais eficaz. Pensando nisso, listamos as melhores práticas de arquitetura e construção de formulários em Angular

O que é Angular e quais são as vantagens desse framework? 

Angular é um dos principais frameworks para desenvolvimento de SPA
Angular é um dos principais frameworks para desenvolvimento de SPA. (Fonte: Getty Images/Reprodução) 

Angular é um framework de desenvolvimento web, de código aberto e mantido pelo Google. Ele serve para construir aplicações web escaláveis e de alta performance, oferecendo recursos para o desenvolvimento de Single-Page Applications (SPAs) e aplicações com renderização do lado do servidor (Server-Side Rendering — SSR), semelhante ao que o Next.js faz. 

Uma das principais características do Angular é o sistema de vinculação de dados bidirecional. Com ele, é possível atualizar a interface do usuário em tempo real, conforme o usuário fornece entrada de formulário. Isso permite interagir com a aplicação de forma mais dinâmica e responsiva. 

Outra vantagem do Angular é a arquitetura baseada em componentes reutilizáveis. Isso significa que as pessoas desenvolvedoras podem criar componentes individuais, como botões ou formulários, e os reutilizar em diferentes partes da aplicação, o que torna o desenvolvimento mais rápido e eficiente, já que elimina a necessidade de criar componentes do zero em diferentes partes da aplicação. 

O Angular também tem recursos para testes automatizados, o que ajuda a garantir que o aplicativo funcione corretamente e evita problemas no futuro. Além disso, ele tem arquitetura modular, que permite organizar o código em pequenos módulos independentes. Isso torna o código mais fácil de entender e facilita a detecção de problemas. 

Por fim, o Angular é um framework bem documentado e conta com uma grande comunidade de pessoas desenvolvedoras, o que significa que quem vai programar em Angular pode encontrar suporte e recursos facilmente. 

+Tipos de Hospedagem de Sites: qual a melhor para o seu projeto?

Quais padrões o Angular utiliza? 

O Angular utiliza uma série de padrões e práticas recomendadas para desenvolvimento de aplicações web. Um dos principais é o padrão de design Model-View-Controller (MVC), no qual ocorre a separação da aplicação em três componentes principais: modelo (Model), visualização (View) e controlador (Controller). Isso ajuda a separar as preocupações da aplicação e tornar o código mais modular e reutilizável. 

Outro padrão utilizado pelo Angular é o Observable. Ao utilizar esse padrão, as pessoas desenvolvedoras podem escrever o código que aguarda a conclusão de uma chamada de API ou que responde a mudanças em um formulário de forma mais simples e organizada.

Ele também oferece recursos adicionais, como operadores de transformação, inclusive suportando o cancelamento de fluxos de dados, o que é particularmente útil para interromper a execução de uma operação que não é mais necessária. 

O Angular também utiliza o padrão Injeção de Dependências, para facilitar a criação de componentes independentes e reutilizáveis, tornando a aplicação mais fácil de entender e manter. Com isso, os componentes podem receber objetos e serviços de outros componentes sem precisar criar uma instância diretamente. 

Essas práticas ajudam a manter a consistência e a organização do código, facilitando a colaboração entre as pessoas desenvolvedoras e a manutenção do código no longo prazo. 

Boas práticas em arquitetura de projetos Angular 

Utilizar boas práticas em Angular garante maior coesão de código e facilidade de manutenção
Utilizar boas práticas em Angular garante maior coesão de código e facilidade de manutenção. (Fonte: Getty Images/Reprodução) 

Uma das principais vantagens do Angular é que ele oferece várias opções para uma arquitetura de projeto eficiente. Veja em seguida algumas das práticas mais recomendadas ao desenvolver projetos nesse framework. 

Divida o aplicativo em módulos menores 

Ao desenvolver um aplicativo Angular, é importante considerar a escalabilidade e a manutenção em longo prazo. Uma das práticas recomendadas para alcançar esses objetivos é dividir o aplicativo em módulos menores e usar o lazy loading para carregá-los conforme necessário. 

Um módulo é um conjunto lógico de componentes, serviços e outros recursos relacionados que podem ser agrupados para formar uma funcionalidade específica do aplicativo.

Dividir o aplicativo em módulos menores permite que as pessoas desenvolvedoras organizem melhor o código, reduzam a complexidade e facilitem a manutenção.

Cada módulo pode ser desenvolvido, testado e mantido separadamente, o que simplifica a colaboração em equipe e a integração contínua. 

Usar o lazy loading significa carregar módulos somente quando eles são necessários, em vez de os carregar todos de uma vez no momento da inicialização do aplicativo. Isso pode melhorar significativamente o desempenho, especialmente em casos em que existem muitos módulos ou a aplicação é grande. 

Além disso, o lazy loading pode ser usado para carregar módulos com base em ações do usuário, como navegação para uma página específica. Isso significa que o aplicativo só precisa carregar os recursos necessários para determinada página em vez de carregar todos os recursos de uma só vez, o que ajuda a reduzir o tempo de carregamento e melhora a experiência do usuário. 

Siga as convenções de diretórios e a padronização de nomenclaturas 

Um bom projeto também deve seguir as convenções recomendadas pela equipe do Angular. Isso inclui o uso de diretórios padrão, como “app” para o diretório raiz do aplicativo, “components” para componentes, “services” para serviços e “models” para modelos.

É importante manter uma nomenclatura padrão para os arquivos e as pastas do aplicativo, já que isso facilita o entendimento da estrutura do projeto e reduz o tempo necessário para encontrar recursos específicos. 

Tipos de formulário em Angular e boas práticas 

Boas práticas em formulários são essenciais para garantir uma experiência do usuário positiva e evitar problemas de usabilidade. Em Angular, existem duas abordagens principais para lidar com formulários: template-driven e reativos

Os do tipo template-driven são mais fáceis de implementar e são ideais para formulários simples e com poucos campos. Eles usam o two-way data binding, o que significa que as alterações no modelo de dados são refletidas no formulário e vice-versa. No entanto, eles têm algumas limitações, como por exemplo dificuldades em testar a lógica de validação e também a falta de controle fino sobre as atualizações. 

Por outro lado, os reativos são mais poderosos e flexíveis e são recomendados para formulários mais complexos, com muitos campos ou validações personalizadas. Eles são baseados em Observables e oferecem mais controle sobre as atualizações e a lógica de validação. Além disso, esses formulários são mais fáceis de testar do que os template-driven

Independentemente do tipo de formulário que você escolher, há algumas boas práticas que você pode seguir para garantir um código limpo e manutenível. 

Use nomes de variáveis descritivos 

Ao criar um formulário, é importante dar nomes descritivos às variáveis de cada um dos campos e dos valores.

Esses nomes devem ser claros e identificar exatamente o que cada campo representa, para que seja fácil para outras pessoas desenvolvedoras entenderem o que está acontecendo no código.  

Use diretivas de formulário Angular 

O Angular tem diversas diretivas de formulário que podem ajudar a simplificar a criação e a validação de formulários. Alguns exemplos incluem ngForm, ngModel, ngSubmit, ngControl e ngModelGroup.

Essas diretivas permitem criar campos, vincular dados do modelo a esses campos, capturar e processar eventos de formulário e validar os dados inseridos por usuários. 

Use validação de formulário 

A validação de formulário é essencial para garantir que os dados inseridos por usuários sejam válidos e seguros. O Angular tem várias validações de formulário pré-construídas, como required, minlength, maxlength, pattern e assim por diante.

Essas validações podem servir para verificar se os dados inseridos por usuários estão no formato correto, se são obrigatórios e se atendem a outros requisitos. 

Personalize as mensagens de erro 

É importante personalizar as mensagens de erro para que sejam relevantes para o contexto do formulário. Isso ajuda os usuários a entender o que precisam corrigir e evitar frustrações desnecessárias.

É possível personalizar as mensagens de erro com as diretivas de validação do Angular e também é possível formatá-las para que fiquem visualmente atraentes e fáceis de ler. 

Ao seguir essas boas práticas, você garante que o seu projeto poderá escalar de forma segura e eficiente.

Além das boas práticas de desenvolvimento, você precisa que sua aplicação esteja hospedada em um servidor confiável. Para isso, você pode contar com os serviços da Locaweb

Conheça os nossos planos de hospedagem e lance hoje mesmo a sua aplicação Angular.

Saiba mais